Você odeia seu trabalho, certo? Boa notícia, você não é o único! Por outro lado, você pode mudar isso. Agora se você já adora seu trabalho, estas dicas vão ajudar a gostar ainda mais.

Facebookgoogle_pluslinkedin

Lembra-se dos planos que você tinha para a sua carreira?

Algumas pessoas sonham e trilham estes sonhos, e há outras que encontram novas possibilidades e também se realizam. O importante mesmo é gostar do que se faz.

E aí, você gosta do seu trabalho?

Se a resposta for não, é necessário descobrir como gostar. Acredite, é possível.

Um elemento chave é “literalmente aprender a gostar” do que fazemos. Procurar motivos e aspectos relevantes do trabalho. Sempre haverá coisas boas e outras não tão agradáveis em uma determinada profissão. Foque nas coisas positivas, elas existem.

Por mais simples que “possa parecer”, qualquer trabalho é nobre. Se você fez o seu melhor e se dedicou de forma plena, você fez e faz um trabalho nobre. Parabéns! Não seja muito severo com você mesmo. Dedique-se e pronto.

Outra coisa, não sinta inveja de pessoas que supostamente amam o que fazem e “parecem felizes todos os dias”. Muitas vezes o que parece ser uma coisa, nem sempre o é.

Agora outra pergunta para lançar luz sobre esta questão: se você não gosta do trabalho atual, será que o problema não está relacionado à sua perspectiva?

Big group of young jumping people with hands up.

Pode parecer loucura, mas podemos gostar do que fazemos se decidirmos que é assim que deve ser. Precisamos ajustar nosso foco. Não estou de forma alguma estimulando a acomodação, ou que você desista dos seus sonhos, estou apenas sugerindo que em alguns momentos é importante e necessário uma decisão firme e um olhar diferente para o nosso trabalho.

Fazer isso não apenas irá ajudar você a realmente gostar do seu trabalho, como também irá contribuir para alcançar maior satisfação com a sua vida. Isso não irá ocorrer em um passe de mágica. Vai levar algum tempo, mas o esforço será incrivelmente recompensado.

Tenho consciência de que alguns não vão concordar com o que estou dizendo. Minha intenção não é criar consenso. Sei também que outros dirão que devemos continuar procurando até encontrar o que gostamos de fazer. Esta procura deve ser perpétua, e a pessoa jamais deve abandonar a busca pelo “seu ideal” de verdadeiramente fazer o que gosta. Eu concordo com isso, mas entendo que talvez possamos ser felizes hoje, agora, neste exato momento, realizando o nosso trabalho atual , sem esperar este “ideal”.

É evidente que existem casos em que não existe conexão do trabalho com a pessoa. Sim, não vamos ser falsos e ignorar ou negligenciar algumas situações que precisam sim ser revistas!

Porém, antes de seguir este impulso e sair por aí distribuindo currículos, é preciso parar e fazer uma análise e avaliação sincera e profunda a fim de avaliar se vale ou não continuar no emprego vigente, apesar da insatisfação. Se a conclusão for que é viável continuar no trabalho atual, então é o momento de fazer alguns ajustes para aprender a gostar do trabalho novamente.

“A maioria das pessoas é tão feliz quanto decidem ser.”  Abraham Lincoln(1809-1865)

Conversando com pessoas da minha equipe, observo que a insatisfação com o trabalho pode não ter um motivo realmente claro às vezes. O colaborador simplesmente não está “100% confortável” com a situação, mas também não consegue descrever o porquê da insatisfação. Como qualquer médico, sempre sugiro que esta conclusão me parece um sintoma, e como com qualquer doença, “as verdadeiras causas precisam ser investigadas profundamente”.

Temos que ter em mente que sempre existirão aspectos do trabalho na qual não gostamos, mas você pode procurar pelas atividades e tarefas que trazem “alegria e prazer”, e procurar uma forma de manter-se ainda mais focado nesses aspectos.

Outra coisa de fácil observação é que as pessoas que dizem “odiar” o trabalho são as que geralmente executam as tarefas sem qualidade, fora do prazo e ainda reclamando. Faça o seu trabalho mal feito e você odiará o que faz!

Outro ponto que observo com relativa frequência é que as pessoas falam que tudo no trabalho é entediante, e que a carga de atividades é imensa. Além disso, também ouço dos colaboradores que eles não são “valorizados”, ou que os “chefes” são “insuportáveis”. Talvez tudo isso seja verdade, em maior ou menor grau, mas é importante e fundamental uma conversa franca e honesta para que ambas as partes se entendam.

Não espere fórmulas prontas e sucesso imediato, isso leva tempo para ser resolvido e ajustado. Mas alinhar as expectativas é um passo decisivo. Muitas pessoas em minha equipe melhoraram significativamente após uma conversa um pouco mais séria.

Vejo com clareza nas minhas relações que algumas pessoas realmente aprendem a gostar do trabalho, e isso ocorre juntamente com um crescimento maior que traz “maturidade” para o profissional.

Se eu pudesse deixar algum presente à você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos. A consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo a fora. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem. A capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para você, se pudesse, o respeito aquilo que é indispensável. Além do pão, o trabalho. Além do trabalho, a ação. E, quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída. Mahatma Gandhi

O que acha de seguir as dicas da lista abaixo antes de partir para o próximo emprego? Então vamos lá.

Fazer uma auto avaliação concreta da situação atual como um todo. Talvez em uma nova oportunidade de trabalho os riscos e sacrifícios sejam muito maiores. Às vezes achamos que a mudança de trabalho irá fazer com que os problemas que estão em uma camada mais profunda sejam resolvidos sem esforço, e isso não vai ocorrer. É preciso encarar os problemas com serenidade. Quando mudamos de emprego, apenas mudamos os problemas, pois afinal de contas é para isso que somos contratados, para resolver problemas.

Desculpa ser repetitivo: não estou estimulando a acomodação, muito menos que você desista dos seus sonhos e propósito. Estou apenas sugerindo que em alguns momentos é mais prático aprender a gostar do trabalho atual.

Procure entender o que te faz feliz no trabalho atual e porque isso ocorre. O contrário também é necessário, o que me faz infeliz? Talvez seja apenas uma pessoa em nosso ambiente atual que nos causa desconforto, e o sacrifício da mudança não seja válido.

Fazer uma análise SWOT (Forças/Fraquezas/Oportunidades/Ameaça), pode ajudar. Exemplo: você mora longe da empresa, e este é o único aspecto negativo. Talvez seja possível considerar uma mudança para mais próximo da companhia. E isso fará você gostar novamente da sua atividade. Às vezes com a alteração em apenas um aspecto do trabalho, uma série de outros desconfortos acabam se ajustando.

É muito importante uma reflexão profunda e honesta. Passamos a maior parte da nossa vida no trabalho para negligenciar uma análise como esta.  Mas o esforço da reflexão pode ser suficiente para deixar a situação mais clara e vislumbrar outras possibilidades.

Examinar detalhadamente o trabalho em si. Procure identificar os aspectos positivos: sim, talvez você não adore o seu trabalho, mas existem coisas sobre ele que você absolutamente não odeia. Além disso, desconfio que existem aspectos que na verdade você gosta.

Como sabemos, o trabalho 100% ideal não existe. Sempre tem uma coisa chata. Nem sempre é possível trabalhar apenas com o que gostamos. É claro que devemos buscar este ideal, mas até que ele ocorra, examinar e procurar se concentrar mais tempo em trabalhos que lhe tragam satisfação é uma possibilidade.

Já fiz mudanças organizacionais com sucesso nas empresas, e em uma delas as pessoas trabalhavam por áreas. Na sequência conseguimos ajustar melhor as competências das pessoas com os processos na qual cada um tinha mais afinidade, ou seja, focando o funcionário em apenas um determinado aspecto do trabalho. Essa mudança parece ser simples, mas trouxe benefícios para ambas as partes (empresa e colaborador), pois as pessoas ficaram mais felizes e os resultados foram significativamente melhores.

Lembre-se que viver uma vida inteira procurando o trabalho ideal pode nos desviar do prazer de gostarmos do que fazemos hoje! Não permita que isso ocorra.

Resultados – Avaliar se os seus resultados estão sendo positivos. Algumas pessoas só olham o que ainda não foi feito, mas não celebram as pequenas vitórias e não valorizam os inúmeros sucessos e avanços já alcançados. Não caia nesta armadilha.

Procure apresentar os resultados alcançados, mesmo que modestos e você não tenha atingido o resultado final/ideal. Tem um ditado que diz que “Roma não foi feita em apenas um dia”. São pequenos passos, com resultados pequenos que se somados, são mais relevantes. Tenha uma estratégia, pois pequenas ações/resultados ajudam e muito.

Reúna pequenas ações sobre o que podemos melhorar no nosso dia a dia no trabalho. Fale com seu gestor, troque ideias, peça sugestão e/ou apoio. Isso pode ter efeitos positivos, e se você adicionar a isso os pequenos resultados alcançados, a satisfação pode ser percebida novamente.

Procure incluir celebrações para os resultados alcançados. Atualmente as pessoas são tão negativas que se esquecem de comemorar os pequenos resultados/avanços. Talvez um almoço do grupo de trabalho em um restaurante diferente já seja suficiente, cabe a você decidir e escolher.

Procure recordar-se do que mencionei no início do artigo, se você se dedicou 100% e está com a sensação de dever cumprido, você se sentirá “motivado”, e esta sensação poderá mostrar para você mesmo que o trabalho está indo bem.

Fazer um compromisso com o trabalho. Lembre-se que um dos principais pontos é gostar do seu trabalho, logo, deve-se estar 100% determinado e comprometido a fazer uma mudança psicológica positiva. O simples fato de assumir um compromisso de gostar do seu trabalho já irá refletir na sua satisfação. Não estou dizendo que o fato de acreditar em um compromisso irá torna-lo extremamente satisfeito. As coisas não mudam automaticamente. Mas sugere-se que uma mudança de perspectiva em relação ao trabalho irá sim propiciar uma sensação mais confortável. Este é um dos passos, lembre-se disso.

Algumas pessoas entram em um estágio de desanimo total, e começa a aceitar que as coisas não vão mudar. Confie: cada pequeno passo no seu dia a dia será fundamental para ter prazer no trabalho novamente.

Em um cenário onde seu gestor esta sempre presente e de forma desconfiada, procure olhar por uma perspectiva em que você gosta de estar perto de pessoas, logo, estar próximo do seu chefe pode não ser tão desagradável. Se isso ocorre, aproveite a oportunidade e peça a opinião dele (gestor), desta forma o seu próprio chefe estará mais envolvido e também comprometido com o seu trabalho. As chances de você desagradá-lo será menor.

Esta é uma situação/cenário, e outras inúmeras ocorrem ao longo do dia, a recomendação é procurar em cada uma delas fazer com que você resgate sua conexão com o trabalho.

Procure estar próximo de pessoas positivas. Fale sobre coisas agradáveis. Durante um intervalo, café, almoço ou jantar, junte-se a pessoas otimistas. As pessoas transmitem suas atitudes umas às outras. Procure na medida do possível afastar-se de funcionários tóxicos e foque em estar ou aproximar-se daqueles com perspectivas empolgantes.

Seu objetivo principal será eliminar o pessimismo e aumentar o otimismo. Quando ouvimos opiniões negativas, nosso pessimismo eleva-se, mesmo que inconscientemente. Da mesma forma, quando você se aproxima de pessoas positivas e otimistas, seu humor irá elevar-se também.

Tenha em mente que a meta é gostar do trabalho, e que você assumiu este compromisso, logo, estar otimista te permitirá estar mais próximo deste objetivo.

Mude de área ou atividade. Existem outras formas de mudar o seu trabalho dentro da empresa atual. Procure mudar de área ou vagarosamente tente descobrir em qual atividade você gostaria de atuar. Talvez exista um programa de recrutamento interno na sua empresa e você possa verificar as qualificações necessárias para prepara-se para este novo desafio. Talvez a vaga não exista ainda, mas você pode já iniciar um processo de preparação para o novo desafio. Isso pode motivá-lo e resgatar parte do seu entusiasmo.

Procure sempre passar pela área alvo, conversar com as pessoas, procurar entender o que de bom ocorre no departamento e quais são os desafios principais. Não se satisfaça com a resposta de apenas um membro da equipe,  é importante sempre possuir visões diferentes.

Se você trabalha na engenharia mas gostaria de saber como funciona o departamento de vendas, procure apoiar projetos ligados a área de vendas. Pode principalmente falar com os vendedores e trocar ideias. Pergunte para estas pessoas as coisas ruins de trabalhar em vendas. Talvez você se surpreenda com os profissionais de lá e, aos poucos, chegue à conclusão que não é o que você realmente deseja, ou o contrário. O importante é procurar a sua satisfação incansavelmente.

Bom se todas as dicas acima não funcionar, utilize o que você aprendeu no trabalho atual para avaliar novas possibilidades. Tenha certeza de que seu próximo trabalho se aproxima daquilo que você deseja.

Agora uma última dica bem valiosa: a vida não se resume a trabalho! Compense a falta de estar 100% apaixonado pelo seu emprego atual dedicando-se a outras atividades extra-profissionais que eventualmente o preencham e satisfaça seus anseios. Procure de alguma forma passar mais tempo com a família e amigos, pratique esportes, enfim, dedique mais tempo nos seus “hobbies” favoritos.

Vida que segue,

Um abraço,

Jeferson.

Facebookgoogle_pluslinkedin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *